Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Mobilidade Acadêmica > Para alunos da UFABC > Depoimentos > Alessandro Paulino (BCH) participará de um programa da Fundação Botín, e conta como se preparou para esse desafio
Início do conteúdo da página

Alessandro Paulino (BCH) participará de um programa da Fundação Botín, e conta como se preparou para esse desafio

 alessandro

Alessandro Paulino Pereira, aluno de graduação do Bacharelado em Ciências e Humanidades, foi o primeiro aluno da UFABC a ser selecionado para participar da XII edição do Programa para o Fortalecimento da Função Pública na América Latina (PFFPAL), da Fundação Botín, que acontecerá na Espanha e na Colômbia entre os meses de outubro e dezembro de 2021. Confira o depoimento de Alessandro, em que ele conta como foi sua preparação para esta oportunidade internacional:

"Olá, eu me chamo Alessandro, tenho 22 anos e ingressei na UFABC em 2018, no Bacharelado em Ciências e Humanidades. Recentemente fui selecionado para participar da XII edição do Programa para o Fortalecimento da Função Pública na América Latina (PFFPAL), da Fundação Botín, que em 2021 está previsto para acontecer na Espanha e na Colômbia entre os meses de outubro e dezembro.

O Programa e minhas percepções sobre o processo seletivo

O programa tem como objetivo contribuir para que as instituições públicas da América Latina se fortaleçam em vias de que a região se desenvolva em aspectos diversos, apostando numa formação interdisciplinar e integradora para isso. Todo ano são selecionados jovens de toda a América Latina que possuam vocação para o serviço público e que sejam comprometidos com o entorno em que vivem, e em, 2021, serei um dos quatro brasileiros a integrá-lo.

Eu conheci o programa através de um amigo que é educador popular na Rede Emancipa – movimento social de educação popular que também ajudo a construir desde 2016 - que participou da quarta edição do programa, em 2013. Em 2021, foi através de um e-mail da Assessoria de Relações Internacionais (ARI) que fui informado da abertura das inscrições e que me animei para participar, pois pela primeira vez teria os requisitos mínimos, em especial a quantidade mínima de créditos. O Programa ainda não é muito conhecido na Universidade, foi essencial para mim receber o comunicado da ARI para participar do processo de seleção.

O processo seletivo é muito enriquecedor, aprendi muito sobre quem eu sou e também pude perceber melhor quais são meus interesses, aspirações e possibilidades a partir da minha trajetória. Considero que foi muito importante para o êxito da minha participação no processo seletivo as diversas oportunidades que a experiência com a educação popular e luta política me proporcionaram, bem como as muitas possibilidades que venho tendo ao longo da graduação na UFABC. Além da iniciação científica, que conforma um processo intenso e muito enriquecedor na minha trajetória acadêmica, a experiência com os cursos de idiomas oferecidos pelo NETEL, sobretudo no que tange a língua inglesa, também foram indispensáveis, já que para participar do programa é necessário ter bons conhecimentos na língua inglesa e, para nós brasileiros, na língua espanhola também. Estudar idiomas na universidade é uma das muitas atividades que fazem minha trajetória acadêmica mais completa e prazerosa, ainda mais porque não teria o conhecimento exigido pelo programa se não fossem os 5 módulos de inglês que cursei pelo NETEL até agora. 

Outras atividades acadêmicas que também contaram muito para que eu pudesse enriquecer o currículo foram as atividades de extensão, em que já participei como aluno, e agora como bolsista. Também tem sido muito importante a possibilidade de estar no Programa de Mobilidade Virtual da AUGM, desde o primeiro semestre de 2021. Além de ampliar minhas experiências com a temática das políticas públicas – dada a disciplina em que estive matriculado na Universidade de Valparaíso, no Chile - também tenho aproveitado para aprimorar muito os conhecimentos na língua espanhola, uma vez que já faz cerca de 6 anos desde que estudei o idioma no Centro de Estudo de Línguas Estadual da minha escola de Ensino Médio.

Em conversa com pessoas que participaram do programa em edições anteriores, descobri que o programa parece estar mais preocupado com a autenticidade das nossas trajetórias e nosso envolvimento com o entorno onde vivemos/estudamos/trabalhamos, do que com uma lista exaustiva de atividades desempenhadas e de habilidades. Ainda assim, conhecimentos diversos são importantes para o que exige o programa. Nesse sentido, mais do que vontade, é preciso ter oportunidades como as que tive ao longo da minha trajetória, ainda mais ao longo da graduação, para poder desenvolver as atividades do processo seletivo e durante o programa.

Destaco ainda a importância da proposta pedagógica da UFABC na minha formação e em relação ao processo seletivo, uma vez que ao longo da última fase, houve demonstração de profundo interesse pela proposta interdisciplinar da universidade, além da sua preocupação com a diversidade de estudantes e fomento de um olhar crítico para a sociedade, todas coisas que destaquei quando me perguntaram durante a fase da entrevista: “como a graduação que você faz pode contribuir com o programa?”

Como cheguei na UFABC?

Eu sou morador do extremo sul da cidade de São Paulo, do bairro do Grajaú, e sou egresso de escola pública estadual. Durante o ensino médio ingressei em um cursinho popular pré-universitário da Rede Emancipa de Educação Popular, que foi essencial para que eu pudesse romper as barreiras do vestibular e acessar o ensino superior, mais especificamente na UFABC. Eu conheci a UFABC através de uma professora do cursinho que também era aluna da Universidade, e foi ela que me apresentou o curso e que acompanhou meu ingresso no BC&H em 2018.

Relação com a Educação Popular

Ao longo da experiencia no cursinho passei a integrar a coordenação da unidade em que estudei e desenvolvi profundo interesse pela área da educação. Hoje, atuo como professor voluntário de Espanhol e participo ativamente da Rede Emancipa, bem como das lutas em defesa da educação libertadora, e que também seja pública, gratuita e de qualidade, aspiração compartilhada com a UFABC.

Preparação para o PFFPAL

O programa conta com uma etapa prévia em que já temos atividades acadêmicas a serem desenvolvidas. Nesse momento já tenho lido textos e preparado apresentações de acordo com as propostas da secretária acadêmica do PFFPAL. Em 18 de outubro a ideia é que iniciemos uma etapa online já integrada entre os participantes, e que sigamos para as etapas presenciais a partir do dia 24 de outubro, quando está previsto o início desta fase de atividades.

Por estarmos em um contexto muito ímpar da história mundial, um fator de extrema importância para poder estar presente nesse intercambio vem sendo a vacinação contra a Covid-19, que tem trazido muitas preocupações para todos os participantes dessa XII edição. Quando chegou a vacinação para minha faixa etária, no início de agosto, tive que garantir que estaria completamente imunizado até a data da viagem, e foi muito importante para isso o apoio da família, amigos e dos profissionais de saúde que me atenderam na data de vacinação. Nesse sentido, conseguimos garantir que vou estar completamente vacinado até lá, de acordo com as regras sanitárias dos países de destino.

Outro fator de extrema importância para poder estar no programa tem sido a campanha de financiamento coletivo que lancei para custear os gastos não cobertos pelo programa. A Fundação Botín arca com quase todos os gastos, de todas as atividades do programa, incluindo passagens aéreas, hospedagem, as formações acadêmicas, atividades culturais e alimentação ao longo desses momentos. Ainda assim, na realidade de onde venho, preciso garantir que tenha como arcar com outros gastos de manutenção não cobertos com a viagem, como alimentação para além das atividades do programa, vestimentas e documentação necessária. Em conversa com meu amigo que participou da edição em 2013, me dei conta de que mesmo com tamanho apoio da fundação, “nem roupa a gente tem pra isso”, literalmente. A “vakinha” está acontecendo e ela é mais um dos motivos para eu me orgulhar de ter conhecido tanta gente bacana que está me apoiando a embarcar nessa experiência.

Por último, tenho contado com o apoio da Equipe da ARI para ficar tranquilo quanto as muitas dúvidas que venho tendo sobre as implicações do programa na graduação. Além disso, também tenho recebido apoio da Rede Vocare, a rede de egressos brasileiros do programa, para lidar com as muitas dúvidas, angústias, expectativas e inquietações que venho tendo em meio a todos esses acontecimentos.

Expectativas

Sendo o primeiro estudante da UFABC a ser selecionado para o programa, espero abrir caminho para que outras pessoas da Universidade tenham a possibilidade de integrá-lo. Será imprescindível para isso, que todes da Universidade sigam lutando para ampliar as condições de permanência estudantil (se não fosse bolsista socioeconômico, não poderia ter me dedicado aos muitos projetos com que me envolvi), o incentivo a pesquisa e inovação, e a democratização das demais atividades da Universidade, como os cursos de idiomas, as atividades de pesquisa e extensão e os espaços de conversas, trocas, expressões culturais etc. Sem essas oportunidades, e sem o apoio dos amigos, professores e de muitos profissionais da Universidade, talvez estivesse muito mais distante de ter essa oportunidade, ainda mais em uma conjuntura tão difícil como a que estamos vivendo.

Cada vez que a gente conta a própria história, nos damos conta do quão importante são as vivências coletivas que tivemos. Essas vivencias é que nos sensibilizam e nos preparam para a construção de um futuro diferente, pois é preciso ter muito apoio e coragem para esperançarmos as mudanças que queremos. Oxalá que essa oportunidade possa abrir portas para ampliar minha atuação na defesa das instituições públicas. Espero que possibilite também alçar ainda mais a participação dos movimentos sociais na construção política e de políticas públicas diversas para a região, e para o reconhecimento das latinidades presentes no coletivo que participará do programa."

Sobre o programa:

A Fundação Botín criou em 2010 o programa “Fortalecimiento de la Función Pública en América Latina”, que é destinado a universitários latino-americanos de excelência acadêmica, e com vocação para o serviço público para ampliar seus conhecimentos sobre os principais desafios da função pública e refletir sobre o papel do Estado nos dias atuais. Assim sendo, o objetivo do programa é oferecer treinamento aos alunos participantes para que possam contribuir no aperfeiçoamento do serviço público, também para o desenvolvimento social, econômico e sustentável de seus países de origem. Os treinamentos estão distribuídos nas seguintes áreas: Políticas Públicas, Ética Pública, Criatividade e Inovação, Liderança e Habilidades Pessoais, e Tendências Globais e Sustentabilidade.

A participação de nosso aluno no programa será um ato fortalecedor do quadro institucional da região, uma vez que os participantes se identificam com os princípios da Integridade, Proatividade e Vocação no Serviço Público. Certamente nossa universidade e nosso país estarão bem representados no programa “Fortalecimiento de la Función Pública en América Latina”. Desejamos que Alessandro aproveite ao máximo esta oportunidade, e que em seu retorno possa compartilhar conosco como foi sua experiência.

 

Registrado em: Depoimentos
Fim do conteúdo da página